Relógio carbônico

Blog monitorado

Monitoramento de terremotos

Image and video hosting by TinyPic

O sol hoje! clique aqui.

Clique e veja a lua

Clique e veja nosso planeta.

Tempo

OBA

TRADUTOR

Arquivo do Blog

Parceria







A Química bem aqui.




Com este experimento procura-se desenvolver um procedimento
simples para a verificação da presença de vitamina C em sucos de frutas
variados.
Material utilizado:




a- 1 comprimido efervescente de 1 g de vitamina C
b- tintura de iodo a 2% (comercial)
c- sucos de frutas variados (por exemplo: limão, laranja, maracujá e caju)
d- 5 pipetas de 10 mL (ou seringas de plástico descartáveis)
e- 1 fonte para aquecer a água (aquecedor elétrico ou secador de cabelo)
f- 6 copos de vidro
g- 1 colher de chá de farinha de trigo ou amido de milho
h- 1 béquer de 500 mL ou frasco semelhante
i- água filtrada
j- 1 conta-gotas
k- 1 garrafa de refrigerante de 1 L

Experimento:

1. Coloque 200 mL de água filtrada em um béquer de 500 mL. Em seguida, aqueça o líquido até uma temperatura próxima a 50 ºC, cujo acompanhamento poderá ser realizado com um termômetro ou com a imersão de um dos dedos da mão (nessa temperatura é difícil a imersão do dedo por mais de 3 s). Em seguida, coloque uma colher de chá cheia de amido de milho (ou farinha de trigo) na água aquecida, agitando sempre a mistura até atingir a temperatura ambiente.

2. Em uma garrafa de refrigerante de 1 L, contendo aproximadamente 500 mL de água filtrada, dissolva um comprimido efervescente de vitamina C e complete o volume até 1L.

3. Escolha 6 frutas cujos sucos você queira testar, e obtenha o suco dessas frutas.

4. Deixe à mão a tintura de iodo a 2%, comprada em farmácias.

5. Numere seis copos de vidro, identificando-os com números de 1 a 6.
Coloque 20 mL da mistura (amido de milho + água) em cada um desses seis copos de vidro numerados. No copo 1, deixe somente a mistura de amido e água. Ao copo 2, adicione 5 mL da solução de vitamina C; e, a cada um dos copos 3, 4, 5 e 6, adicione 5 mL de um dos sucos a serem testados. Não se esqueça de associar o número do copo ao suco escolhido.

6. A seguir pingue, gota a gota, a solução de iodo no copo 1, agitando constantemente, até que apareça uma coloração azul. Anote o número de gotas adicionado (neste caso, uma gota é geralmente suficiente).

7. Repita o procedimento para o copo 2. Anote o número de gotas necessário para o aparecimento da cor azul. Caso a cor desapareça, continue a adição de gotas da tintura de iodo até que ela persista, e anote o número total de gotas necessário para a coloração azul persistir.

8. Repita o procedimento para os copos que contêm as diferentes amostras de suco, anotando para cada um deles o número de gotas empregado. A partir desse experimento, algumas questões podem ser propostas aos alunos:

• Em qual dos sucos houve maior consumo de gotas de tintura de iodo?

• Através do ensaio com a solução do comprimido efervescente é possível
determinar a quantidade de vitamina C nos diferentes sucos de frutas?

• Procure determinar a quantidade de vitamina C em alguns sucos
industrializados, comparando-os com o teor informado no rótulo de suas embalagens.

Entendendo o experimento:

A vitamina C, também conhecida como ácido L-ascórbico, foi isolada pela primeira vez sob a forma de um pó cristalino branco, em 1922, pelo pesquisador húngaro Szent-Györgi. Por apresentar comportamento químico fortemente redutor atua, numa função protetora, como antioxidante; na acumulação de ferro na medula óssea, baço e fígado; na produção de colágeno (proteína do tecido conjuntivo); na manutenção da resistência às doenças bacterianas e virais; na formação de ossos e dentes, e na manutenção dos capilares sanguíneos, dentre outras. Segundo a literatura, as principais fontes naturais de ácido ascórbico estão no reino vegetal, representadas por vegetais folhosos (bertalha, brócolis, couve, nabo, folhas de mandioca e inhame), legumes (pimentões amarelos e vermelhos) e frutas (cereja-do-pará, caju, goiaba, manga, laranja, acerola, etc.). Entre esses, quais contêm a maior quantidade de vitamina C?
Ao se cozinhar um alimento há perda de vitamina C? Existe diferença entre a quantidade da vitamina quando uma fruta está verde ou madura? Essas e outras perguntas poderão ser facilmente respondidas realizando-se a experiência acima proposta. Este tema poderá também ser objeto de pesquisa a ser realizada pelos alunos e seu levantamento apresentado e discutido em sala de aula ou exposições de ciências. A adição de iodo à solução amilácea (água + farinha de trigo ou amido de milho) provoca uma coloração azul intensa no meio, devido ao fato de o iodo formar um complexo com o amido. Graças a sua bem conhecida propriedade antioxidante, a vitamina C promove a redução do iodo a iodeto (I-), que é incolor quando em solução aquosa e na ausência de metais pesados. Dessa forma, quanto mais ácido
ascórbico um alimento contiver, mais rapidamente a coloração azul inicial da mistura amilácea desaparecerá e maior será a quantidade de gotas da solução de iodo necessária para restabelecer a coloração azul.
A equação química que descreve o fenômeno é:

C6H8O6 + I2 → C6H6O6 + 2HI




Resíduos, tratamento e descarte:

Os resíduos gerados neste experimento podem ser descartados no lixo comum. As garrafas de plástico (PET) devem ser encaminhadas para a reciclagem.

Referências:

- Conn, E. E., Stumpft, P.K. Introdução à Bioquímica. Trad. Lélia Mennucci, M.
Julia M. Alves, Luiz J. Neto et al. São Paulo: Edgard Blücher, 1975, p.184-185.
- Experimento 09. Determinação do teor de vitamina C em comprimidos.
Disponível em: http://www.catalao.ufg.br/siscomp/sis_prof/admin/files/sil-
freitas/data23-04-2009-horas13-50-41.pdf. Acesso em 23/09/10.
- Silva, R R, Ferreira, G.A.L., Silva, S L. À Procura da Vitamina C. Química Nova na
Escola, n.2, p.1, 1995.


0 comentários:

ENVIE UM EMAIL PARA O BLOG CIÊNCIAS AQUI!!!

Quem sou eu

Minha foto

Sou professor da rede privada de ensino lecionando as disciplinas Física, Química, Matemática e Ciências no COLÉGIO EFETIVO/MARTINS - RN. Graduado em Ciências com habilitação em Matemática - Licenciatura Plena - pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN -, graduado em Física - Licenciatura Plena - pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Professor de Física aplicada a radiologia, física aplicada ao petróleo e gás e Desenho técnico de cursos técnicos ministrados pela CENPE cursos, unidade Patu RN

Postagens populares

Seguidores